top of page
  • Foto do escritorRadio Catedral

Outubro Rosa: tratamento multidisciplinar para câncer de mama faz toda diferença

O atendimento multidisciplinar para mulheres em tratamento do câncer de mama é oferecido em Juiz de Fora pela Acispes, através do CEAE - Centro Estadual de Atenção Especializada. Evento alusivo à campanha trouxe depoimentos de mulheres que venceram a doença.


Por Fabíola Castro

Fachada da Acispes em JF | Foto: Assessoria da Acispes.

O tratamento multidisciplinar envolve uma combinação de profissionais de diferentes áreas com experiências complementares a fim de garantir uma melhor resposta no tratamento de uma doença. É o que acontece na Acispes em Juiz de Fora, através do CEAE - Centro Estadual de Atenção Especializada (programa do Governo do Estado) que oferece todo suporte necessário à pacientes em tratamento do câncer de mama não só da cidade sede, mas para pessoas de todos os municípios consorciados. Especialmente neste mês realiza ações pelo “Outubro Rosa” de prevenção, conscientização e diagnóstico precoce ao câncer de mama.


O mastologista Dr Bruno Laporte, em sua fala no evento de encerramento da semana de atividades do “Outubro Rosa”, disse que a campanha temática “é muito além da prevenção e tratamento do câncer de mama é o cuidado da mulher com ela mesma”.


Além da fala do mastologista e outros profissionais da saúde, diversos depoimentos foram dados por mulheres que passaram pelo câncer de mama, que estão em tratamento e venceram a doença. A responsável técnica do setor de Fisioterapia da Acispes, Elisa Duque de Andrade Ribeiro, explicou o que é e como funciona o atendimento multidisciplinar para as mulheres no CEAE.


Confira:


O que é o CEAE?


Dentro do CEAE o que é oferecido às pacientes atendidas?


Como as pacientes chegam até a Acispes para os atendimentos?


Qual a importância de um atendimento multidisciplinar?


Depoimentos

Heloisa Helena de Menezes (“Helô Rosinha”) e Meire Medeiros | Foto: Assessoria Acispes.

A paciente Heloisa Helena de Menezes, mais conhecida como “Helô Rosinha”, tem 65 anos e contou sobre a descoberta do câncer de mama.


Heloisa disse ainda que após ter tido a doença em 2008, o diagnóstico se repetiu em 2019.


O tratamento segue, pois como a própria Heloisa disse, é longo, mas ela está curada.


Outro depoimento foi da paciente Meire Medeiros que também contou sobre a descoberta do câncer de mama.


A fisioterapeuta Elisa Ribeiro e o mastologista Dr. Bruno Laporte durante suas falas no evento de encerramento da semana de atividades do "Outubro Rosa" na Acispes:

*Fotos: Assessoria Acispes.


Confira também:




10 visualizações0 comentário

ความคิดเห็น


bottom of page