top of page
  • Foto do escritorRadio Catedral

“Ele é amigo, exemplo e inspiração": conheça a história de uma devota de Santo Antônio

Por Roberta Oliveira

A Catedral de Santo Antônio é o cenário da história de devoção de Simone da Silva Motta de Oliveira | Foto: Simone da Silva Motta de Oliveira/Arquivo

Amigo, aliado, inspiração, exemplo, são muitos motivos que ajudam a desenvolver e fortalecer a relação entre uma pessoa e o santo de devoção. Santo Antônio é um dos mais populares no Brasil.


Todo mundo conhece alguma história de alguém que alcançou alguma graça por intercessão dele. Nós vamos contar uma história que começa com um coração partido e termina com ele repleto de amor, graças à ajuda de Santo Antônio.


Leia também:


"Pôxa, Santo Antônio..."

Simone da Silva Motta de Oliveira nasceu em uma família católica em Juiz de Fora. Os pais fizeram questão de passar os valores para ela e para os irmãos. Ela contou que não tinha admiração específica por santos, até que a profissão a levou até a Catedral de Juiz de Fora.


E a vida a colocou diante de Santo Antônio, em um momento que Simone precisava acalentar o coração partido... Sem perder a forma despojada de conversar com o padroeiro.


E nesta conversa franca, Simone fez um pedido pela intercessão do padroeiro da Catedral.


"Tenho certeza de que tem um dedinho de Santo Antônio"


O tempo passou e, em menos de um ano, Simone teve a resposta de que Santo Antônio ouviu a prece. Agora, ela tinha um novo desafio: realizar a promessa.


A conversa ao pé de Santo Antônio teve outros dois capítulos importantes na vida de Simone: o matrimônio e a maternidade.



Casamento de Simone e Vinícius na Catedral Metropolitana de Juiz de Fora | Foto: Simone da Silva Motta de Oliveira/Arquivo


"Santo Antônio é sinal de Deus"


Quatorze anos juntos, nove anos de casados, além do Antônio, neste ano nasceu a Elisa, que está com quatro meses. Simone comenta qual é o sentimento de ter Santo Antônio presente na vida dela e de que forma ele é uma inspiração.



Simone, Antônio e Vinícius, em registro antes do nascimento de Elisa. | Foto: Simone da Silva Motta de Oliveira/Arquivo

História de Santo Antônio

*Fonte: Catedral Metropolitana de Juiz de Fora


Doutor da Igreja, santo casamenteiro, protetor dos pobres, invocado para ajudar na busca de objetos perdidos. O padroeiro da Catedral, Santo Antônio, é um dos santos mais populares e com maior devoção em toda a nossa Igreja.


Nasceu em Lisboa, Portugal, com o nome de Fernando de Bulhões y Taveira de Azevedo em 15 de agosto de 1195. Era de família nobre e rica. O pai, Sr. Martinho, ocupava o cargo de prefeito de Lisboa. A mãe, Dona Teresa, pertencia à alta nobreza. O menino teve uma boa educação: instrução moral, científica, religiosa e muito conforto. Aos poucos, percebeu que a vida de riqueza não lhe agradava e sentiu o chamado de Deus.


Com 15 anos, entrou para o Mosteiro de Cônegos Regrantes de Santo Agostinho. Lá fez o noviciado e mudou seu nome para Antônio. Já em Santa Cruz concluiu sua formação e foi ordenado. Ocupou o cargo de porteiro e, assim, teve a oportunidade de conhecer os recém-chegados Frades Menores de São Francisco.


Foi também em Santa Cruz que aprofundou os seus estudos teológico-filosóficos e adquiriu a preparação necessária à escrita dos seus famosos Sermões. Mais tarde, ingressou na Ordem Franciscana e obteve permissão para pregar em Marrocos.


Foi enviado ao sul da França e por lá permaneceu dois anos pregando em Toulouse e Montpellier e desempenhando vários cargos na Ordem. Regressou à Itália como provincial da Emília Romanha. O navio em que voltou para Lisboa se perdeu em uma tempestade e foi parar em Messina, na Sicília, onde conheceu São Francisco de Assis. Assim, começou sua vida de pregação. Multidões queriam ouvir o santo falar. Sua fala simples comovia a todos.

Já em Pádua, onde ensinou Teologia, retomou o trabalho da escrita e reestruturou seus Sermões, que ficaram famosos em várias lugares da Europa, contribuindo para o crescimento de sua fama de santidade.


Antônio tinha uma saúde muito precária. Tal fato, o levou para o Convento de Arcella, perto de Pádua, onde escreveu uma série de sermões para domingos e dias santificados. Ficou muito doente e teve hidropisia (acúmulo patológico de líquido seroso no tecido celular ou em cavidades do corpo).


Após as pregações da Quaresma de 1231 sentiu-se cansado e esgotado. Os frades então decidiram levá-lo a Pádua, agasalharam-no e o colocaram em uma carro puxado por bois. A viagem era longa e ele foi piorando. Pararam em um povoado onde havia um convento franciscano. Recebeu os sacramentos, despediu-se de todos e cantou o bendito: "Ó Virgem gloriosa que estais acima das estrelas..." Depois ergueu os olhos para o céu e disse. "Estou vendo o Senhor". Pouco depois morreu. Era dia 13 de junho de 1231. Frei Antônio tinha apenas 36 anos de idade.


Após um brevíssimo processo - o mais rápido da história da Igreja – foi canonizado em 13 de maio de 1232 pelo papa Gregório IX. Em 1946, foi oficialmente proclamado Doutor da Igreja pelo papa Pio XII.






38 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page