top of page
  • Foto do escritorRadio Catedral

Devotos celebram Nossa Senhora do Rosário na Arquidiocese de Juiz de Fora

Por Roberta Oliveira


Nesta sexta-feira, 7 de outubro, é celebrado o Dia de Nossa Senhora do Rosário. A data mobiliza devotos na paróquia consagrada a este título mariano no Bairro Granbery e no distrito de Rosário de Minas, em Juiz de Fora.


Além disso, Arquidiocese de Juiz de Fora, há programação especial em honra à Nossa Senhora do Rosário em paróquias em Bocaina de Minas, Belmiro Braga, Matias Barbosa, Santa Rita de Jacutinga, Descoberto e Guarará.


Festa no Bairro Granbery


A devoção à Nossa Senhora do Rosário veio após uma vitória, como explica o pároco da igreja de Nossa Senhora do Rosário do Bairro Granbery, Padre Marcelo Magalhães.



No Bairro Granbery, nesta sexta, a igreja de Nossa Senhora do Rosário do Bairro Granbery tem missas às 12h, 16h, 18h e show com Jerônimo Santos às 20h30, além do funcionamento de barraquinhas.


A programação continua com show de prêmios neste sábado, 8 de outubro , às 15h e almoço no domingo, dia 9, às 12h. Padre Marcelo Magalhães deixou uma bênção especial aos devotos deste título mariano.





Festa no Distrito de Rosário de Minas


No distrito de Rosário de Minas, em Juiz de Fora, continua a programação de festividades na paróquia, com missa será às 19h na Matriz.


O administrador paroquial, Frei Carlos Charles, OFMConv, destaca que a celebração do jubileu de 140 anos da fundação da paróquia será realizada até a próxima semana.




"Nossa Senhora é de todos os povos"


Nesta sexta-feira, a força e a esperança que a oração e meditação do terço podem trazer à nossa vida foram o tema do editorial com Padre Camilo de Paiva no Jornal Boa Nova. Ouça.




História da devoção à Nossa Senhora do Rosário*


A origem do Rosário é muito antiga, pois conta-se que os monges anacoretas (eremitas dos primeiros séculos do cristianismo) usavam pedrinhas para contar o número das orações vocais. Dessa forma, nos conventos medievais, os irmãos leigos dispensados da recitação do Saltério (pela pouca familiaridade com o latim), lembrando que o índice de analfabetismo era muito grande, completavam suas práticas de piedade com a recitação de Pai-Nosso e, para a contagem, o Doutor da Igreja São Beda, chamado de “o Venerável” (séc. VII-VIII), havia sugerido a adoção de vários grãos enfiados em um barbante.

O Santo Rosário foi sendo transformado com o decorrer dos anos, porém, no ano de 1214, a Santa Igreja o estabeleceu na forma e método que hoje é usado. Antes, as Ave-Marias não eram como agora, nem mesmo os mistérios contemplados entre outros ingredientes da oração. Sua origem se deu com a revelação divina da Virgem Maria a São Domingos de Gusmão, fundador dos dominicanos (O.P.). Por meio das citações referidas ao Bem-aventurado Alano de La Roche em seu livro “De Dignitate Psalterri”, São Luís Maria Grignion de Montfort relata a origem do Rosário.

A tradição espiritual conta que, no contexto da revelação, São Domingos se preocupava em converter os albigenses, também conhecidos como cátaros (puros), que eram um grupo de hereges de caráter gnóstico e maniqueísta, sendo até mesmo protegida por bispos e nobres da época. Essa doutrina negava a existência de um único Deus, negava a divindade de Jesus, direcionava a salvação através do conhecimento etc., realidades que entravam em choque com o catolicismo. Desse modo, o santo procurava converter os heréticos e enfrentava grande resistência. Certa vez, procurou retirar-se em uma floresta para rezar e ali recebeu a orientação da Virgem Maria: “Querido Domingos, você sabe de que arma a Santíssima Trindade quer usar para mudar o mundo? [ … ] a principal peça de combate tem sido sempre o Saltério Angélico que é a pedra fundamental do Novo Testamento. Quero que alcances estas almas endurecidas e as conquiste para Deus, com a oração do meu Saltério” (MONTFORT, 2019, p. 42-43).

A partir dessa situação, São Domingos começou a pregar o Santo Rosário ou como foi dito, em revelação, “Saltério Angélico”. Assim expresso, pois naquela época poucas pessoas eram alfabetizadas e não conheciam a Sagrada Escritura. Por outro lado, os monges costumavam recitar em oração os 150 Salmos, rezando a “liturgia das horas”. Desse modo, os cristãos poderiam imitar a oração e se aproximar dos mistérios de Deus ao recitar 150 Ave-Marias, conhecida como a saudação angélica já que foi dita pelos Anjos e relatava nas Escrituras. Assim, tornou-se o “Saltério Angélico” (Salmos Angélicos). Em um segundo momento, ao esfriar a devoção do Saltério Angélico, em nova aparição, Nossa Senhora apareceu ao Beato Alano (1428 – 1475) lhe pedindo que reavivasse a prática. Assim ele formou os agrupamentos de 50 Ave-Marias e seus mistérios, conhecidos como: Gozosos, Dolorosos e Gloriosos. Ela lhe disse que muitas graças e milagres seriam alcançados por meio desse modo e reafirmou os ditos a São Domingos.

Logo após, houve a batalha de Lepanto (Grécia, junto ao porto de Corinto) comandada por João da Áustria, em 7 de Outubro de 1571. O Papa Pio V procurava conter os avanços dos turcos na Europa e, antes disso, convocou os cristãos para que rezassem o rosário através da Carta Breve Consueverunt (1569). Era uma batalha extremamente importante, pois dela dependia a preservação do cristianismo e da cultura ocidental. Com a vitória adquirida, ele instituiu a festa de Nossa Senhora do Rosário no mesmo dia da batalha, e reconheceu que a vitória veio por meio das orações do Rosário. Sendo este Papa da ordem dos dominicanos, por isso, seguiu a inspiração do fundador. O Pontífice instituiu a festa, inicialmente chamada de Santa Maria da Vitória. Em 1573, o Papa Gregório XIII tornou a festa mariana obrigatória para a diocese de Roma e para as Confrarias do Santo Rosário, sob o título de Santíssimo Rosário da Bem-aventurada Virgem Maria. Em 1716, o Papa Clemente XI inscreveu a festa no calendário romano, estendendo-se para toda a Igreja. A celebração ocorria em datas diferentes, conforme os costumes locais. O Papa Leão XIII inscreveu a invocação “Rainha do Sacratíssimo Rosário” na Ladainha Lauretana em 10 de dezembro de 1883. Em 1913, o Papa Pio X fixou a data da celebração da festa em 7 de outubro.

Por fim, após anos de estímulo e devoção por parte dos papas e dos santos, São João Paulo II, em sua carta “Rosarium Virginis Mariae” (2002), institui o quarto mistério, que foi reconhecido como “luminoso”. Formando, então, o Rosário com quatro terços meditando os mistérios de Cristo. Assim, deu-se o formato daquilo que se conhece atualmente por Santo Rosário.


*Fonte: Site da Canção Nova

11 visualizações0 comentário
bottom of page