top of page
  • Foto do escritorRadio Catedral

Ofensa racista de torcedor contra atacante do Villa Real se torna caso de polícia na 2ª Divisão

Por Rádio Catedral


O Villa Real venceu pela primeira vez na Segunda Divisão do Campeonato Mineiro 2023. Infelizmente, a partida contra o Guarani fora de casa virou caso de polícia no sábado (23). O motivo foi um torcedor do time de Divinópolis que usou xingamentos racistas contra o atacante do time juiz-forano.


O atacante Alexandre Capela marcou o gol da vitória aos 5 minutos do primeiro tempo do jogo no sábado, 23. No entanto, conforme relato do juiz Alexander Medeiros Xavier na súmula, aos 8 minutos do segundo tempo, o jogo foi paralisado após o atacante Alexandre Capela informar que sofreu injúria racial por parte de um torcedor. Ainda segundo a súmula, ao final da partida, foi registrado o Boletim de Ocorrência.


Em nota oficial, logo após o jogo no sábado (23) o Villa Real ressaltou que as providências foram tomadas, repudiou o ato do torcedor, destacou que o time é formado majoritariamente por pessoas negras.


“É absolutamente inaceitável que, em pleno século 21, tais atos repugnantes continuem a ocorrer nas arquibancadas do Brasil e do mundo.É necessário que a sociedade como um todo se una contra o racismo e trabalhe incansavelmente para erradicá-lo de uma vez por todas”, diz o texto.


Também em nota oficial no sábado (23), o Guarani Esporte Clube repudiou o episódio de racismo contra o atleta do Esporte Clube Villa Real. "O racismo desumaniza, fere e mata. O racismo é inadmissível. Não podemos tolerar esse tipo de atitude dentro ou fora das quatro linhas"

O clube reforçou que o autor foi detido e levado à delegacia e que racismo é crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, conforme previsão da Constituição Federal.


Além disso, no domingo (24), em publicação nas redes sociais, a Federação Mineira de Futebol lamentou o ocorrido, prometeu acompanhar o caso e ofereceu apoio ao jogador e ao Villa Real.


Confira abaixo a íntegra das três notas.


Polícia Civil instaura inquérito


Por meio da assessoria, a Polícia Civil informou que instaurou inquérito policial para apurar crime de injúria contra o jogador de futebol, de 20 anos, na partida ocorrida no último sábado, 23. O suspeito, de 79 anos, foi conduzido, ouvido e liberado por não haver elementos suficientes para efetivar a prisão, conforme a PC.


Ainda de acordo com a autoridade policial, para dar continuidade às investigações, o procedimento foi encaminhado à Delegacia de Polícia Civil em Divinópolis, onde estão sendo tomadas as providências necessárias. Entre elas, estão a oitiva da vítima e a intimação das testemunhas para prestarem depoimento.


A importância da primeira vitória


Sem mencionar o episódio de racismo, o atacante Alexandre Capela destacou na entrevista pós-jogo sobre o significado de ter feito o gol da primeira vitória do Villa Real na Segundona. Ele falou sobre a felicidade para ele, para a família e para o clube seguir na competição.


O técnico Wesley Assis comentou sobre a entrega dos jogadores em uma partida difícil, fora de casa, para conquistar os três primeiros pontos do Villa Real na Segundona.


O Villa Nova está com 3 pontos na quarta colocação do grupo B da Segunda Divisão do Campeonato Mineiro, empatado com o Poços de Caldas e o Atlético de Três Corações, que se enfrentam nesta segunda-feira (25) em Três Corações.


A equipe folga nas próximas duas rodadas e volta a campo pela 8ª rodada no domingo, 8 de outubro, às 10h30, contra o Guarani no Estádio Municipal Radialista Mário Helênio em Juiz de Fora.




Notas oficiais sobre o caso de racismo


Villa Real


O Esporte Clube Villa Real REPUDIA veementemente o ato de racismo sofrido pelo atleta Alexandre Capela, cometido por um indivíduo presente nas arquibancadas do Estádio Farião. O homem já foi devidamente identificado pela Polícia Militar, e todas as medidas cabíveis estão sendo tomadas.
Neste momento, expressamos nossa sincera gratidão ao Guarani pelo apoio oferecido ao atleta e ao nosso clube. É absolutamente inaceitável que, em pleno século 21, tais atos repugnantes continuem a ocorrer nas arquibancadas do Brasil e do mundo.
O Time do Povo, equipe composta majoritariamente por pessoas negras, reafirma seu compromisso com Alexandre Capela e com todas as pessoas que, lamentavelmente, enfrentam situações como essa em suas vidas diariamente. É necessário que a sociedade como um todo se una contra o racismo e trabalhe incansavelmente para erradicá-lo de uma vez por todas.
Juntos, somos mais fortes!

Guarani


O Guarani Esporte Clube REPUDIA veementemente o episódio lamentável de racismo ocorrido na partida de hoje contra o atleta do Esporte Clube Villa Real.
O racismo desumaniza, fere e mata. O racismo é inadmissível. Não podemos tolerar esse tipo de atitude dentro ou fora das 4 linhas.
O Guarani deu todo suporte ao atleta e a equipe do Villa Real para que fossem tomada as medidas cabíveis. O autor foi detido e levado à delegacia.
Racismo é crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, conforme previsão da Constituição Federal.
Não ao racismo!


Federação Mineira de Futebol

A Federação Mineira de Futebol lamenta o caso de racismo ocorrido na partida Guarani x Villa Real, em Divinópolis.
O atleta Alexandre Capela, do Villa Real, foi vítima de ataque racista por parte de um torcedor do Guarani, devidamente identificado e conduzido pelas autoridades policiais, com todo o suporte necessário por parte do clube mandante.
Desejamos que o Alexandre esteja bem, possa superar o episódio e seguir na disputa pelo título da Segunda Divisão com o Villa Real.
A FMF acompanhará o caso, de perto, e se coloca à disposição do jogador e do clube de Juiz de Fora para qualquer suporte necessário ao longo do processo.


8 visualizações0 comentário

Commentaires


bottom of page