• Radio Catedral

Morre em Juiz de Fora, Dom Antônio Afonso Miranda, Bispo Emérito de Taubaté

por Giovane Rezende

Morreu em Juiz de Fora na manhã desta segunda-feira, 11, o Bispo Emérito de Taubaté, Dom Antônio Afonso Miranda. Natural de Cipotânea, Minas Gerais, foi ordenado sacerdote em 1º de novembro de 1945 na Congregação dos Missionários de Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento.


Dom Antônio, que tinha 101 anos e era o bispo mais idoso do Brasil, será sepultado na cidade de Mercês, em horário a ser comunicado. O Arcebispo Metropolitano de Juiz de Fora, Dom Gil Antônio Moreira, deixa uma mensagem pela páscoa definitiva de Dom Antônio Afonso de Miranda.


Dom Antônio


Dom Antônio nasceu no dia 14 de abril de 1920. Cursou Humanidade e Filosofia no Seminário Apostólico de Manhumirim (MG) de 1933 a 1941. Em 1942 ingressou no curso de Teologia no Seminário Central de Belo Horizonte. Sua ordenação sacerdotal aconteceu em Belo Horizonte (MG) no dia 1 de novembro de 1945.


De 1946 a 1949, foi diretor e professor de Latim do Seminário Apostólico de Manhumirim (MG). Por dois períodos foi pároco em Dores do Indaiá (MG) de 1949 a 1952 e de 1961 a 1971. Exerceu a função de diretor do Seminário São Rafael em Dores do Indaiá (MG) por dois períodos de 1949a 1952 e de 1961 a 1971.


Em 1952, assumiu como Superior Geral da Congregação dos Missionários de Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento em Manhumirim (MG) permanecendo até 1961. De 1965 a 1970, cursou Direito na Universidade Federal do Espírito Santo (ES). Cursou ainda licenciatura em Filosofia pela Faculdade de Filosofia de São João del Rei-MG) de 1970 a 1971.


Em 27 de dezembro de 1971, recebeu a Sagração Episcopal em Mercês (MG), assumindo a diocese de Lorena (SP) em 1972 até 1977. No ano de 1979, foi Delegado Brasileiro à Conferência Latino-Americana de Puebla – México. Foi bispo Administrador Apostólico de Campanha (MG) de 1977 a 1981 e em setembro de 1981 foi eleito o quinto bispo da Diocese de Taubaté onde permaneceu até 1996. Neste ano, teve aceito seu pedido de renúncia em razão da idade compulsória de 75 anos.

0 comentário