• Radio Catedral

Grávidas e puérperas imunizadas com 1ª dose da AstraZeneza poderão tomar 2ª dose da Pfizer

Por Fabíola Castro*

- Foto: Myke Sena/MS.

O Ministério da Saúde divulgou nota técnica que orienta que mulheres grávidas e puérperas (aquelas com até 45 dias pós-parto), que tomaram a primeira dose contra a Covid-19 da vacina da AstraZeneca sejam imunizadas com a segunda dose da Pfizer. Nos locais em que essa vacina não estiver disponível, o Ministério orienta que seja aplicada a Coronavac. A orientação foi anunciada nesta segunda-feira (26), pela secretária Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, Rosana Leite, e está em nota técnica da Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19 (SeCov).


A aplicação da vacina da AstraZeneca em grávidas e puérperas foi suspensa pelo Ministério da Saúde no mês de maio, após o registro da morte de uma grávida do Rio de Janeiro que havia tomado o imunizante.


Ainda segundo o Ministério da Saúde é muito importante que o esquema de imunização seja completo para assegurar elevada efetividade contra a Covid-19. A segunda dose para as gestantes e puérperas deverá ser aplicada no intervalo estabelecido pelo imunizante usado na primeira dose.


Para as grávidas e puérperas que estão começando o ciclo vacinal agora, a orientação do Ministério da Saúde permanece a mesma: elas devem tomar os imunizantes que não têm o vetor viral, isto é, a Coronavac ou a Pfizer.


Além da vacinação, o Ministério reforça a importância das medidas não-farmacológicas para evitar a Covid-19, como uso de máscaras, lavagem das mãos, uso de álcool em gel, etiqueta respiratória e ambiente ventilados.


Juiz de Fora


Em Juiz de Fora, conforme divulgado nesta segunda-feira (26), pela Prefeitura, as gestantes e puérperas que tomaram a primeira dose da AstraZeneca serão imunizadas com a segunda dose da Pfizer. Elas devem procurar o Círculo Militar, na Avenida Barão do Rio Branco, 3.146 – Alto dos Passos, no horário de 8h às 16h, na data indicada no cartão de vacina para a segunda dose.



*Com informações do Ministério da Saúde.

0 comentário