• Radio Catedral

Dom Gil divulga orientações para o Clero e o povo de Deus para Semana Santa


*Foto: Site Arquidiocese JF

O Arcebispo Metropolitano de Juiz de Fora, Dom Gil Antônio Moreira, divulgou, nesse domingo (29), as orientações que o Clero arquidiocesano e os fiéis deverão seguir nas celebrações da Semana Santa. No comunicado, o Pastor ressalta que todas as determinações estão em sintonia com indicações das autoridades sanitárias do País, do Estado e do Município por conta da disseminação do novo coronavírus e, também, com as diretrizes do II Sínodo Arquidiocesano.


No texto, Dom Gil indica normas gerais e particulares a serem seguidas durante o Setenário das Dores – iniciado nesse domingo, 29 de março – e na Semana Santa, que começa no próximo dia 5 de abril, Domingo de Ramos. Ele indica o seguimento do Decreto da Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos da Santa Sé, enviado a toda a Igreja em 19 de março e atualizado no dia 25.


No comunicado, o Arcebispo reitera que a Semana Santa acontecerá, porém com as limitações que o momento atual pede. “A celebração da Páscoa do Senhor, precedida pela Quaresma e vivenciada na Semana Santa, constitui o ponto máximo da Liturgia Cristã, não havendo nenhuma outra celebração mais importante que ela durante o ano. O Tríduo Pascal não pode ser celebrado em outra ocasião, devendo obedecer a data prevista no calendário litúrgico anual em todo o mundo.”


Dom Gil, no entanto, pede que as celebrações sejam transmitidas através da internet e exorta o povo de Deus a acompanhá-las com fé. “Todos os fiéis devem ficar em casa e não procurar as Igrejas, pois estas estarão fechadas enquanto durar a ordem pública de isolamento social, sendo as celebrações internas feitas com pouquíssimas pessoas escolhidas pelo Pároco, necessárias ao ato litúrgico. Nesta hora, a Igreja está presente nos lares. Aí se realiza a Igreja Doméstica.”


Ainda falando aos fiéis, o Arcebispo Metropolitano indica que as Missas acompanhadas pelos meios de comunicação não devem ser tratadas como qualquer conteúdo de entretenimento. “Da mesma forma, as pessoas que participam de casa tenham sempre a preocupação de não apenas assistir às celebrações como se fossem um programa midiático, mas revistam-se de verdadeira contrição e espírito participativo. Na medida do possível, reúnam a família para participar juntos. Para estes momentos, pode-se preparar a casa com um pequeno altar e, sobretudo, desliguem-se todos os demais aparelhos de celulares, televisores e outros que possam perturbar a espiritualidade do ato sagrado. No momento eucarístico das Missas, façam a Comunhão Espiritual, enquanto não se pode recebê-la sacramentalmente.”


Em consonância com o que disse Papa Francisco na última semana sobre a confissão sacramental, Dom Gil afirma que, no período em que vigorar o isolamento social por conta da pandemia, “o fiel procure fazer seu ato de contrição sincero diante de Deus e busque o Sacramento da Reconciliação tão logo passe este tempo de provação”.


Por fim, o Pastor pede que, mesmo não sendo possível vivenciar de forma presencial a Semana Santa, ponto alto da fé cristã, que ela seja participada com amor a Deus e ao próximo. “Vivenciando a Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor da forma que nos revelam as Sagradas Escrituras, celebrando desta forma tão especial, este ano, a nossa Páscoa. Procuremos acolher no coração os aspectos positivos e belos que Deus está nos proporcionando com esta experiência tão diferente, neste tempo tão especial de provações e de bênçãos.”


Atos de fé na Semana Santa


Mesmo na impossibilidade de participar das Missas e atos litúrgicos durante a Semana Santa, o Arcebispo de Juiz de Fora indica atitudes que os católicos podem lançar mão para demonstrar a importância dos dias que se seguirão. No Domingo de Ramos, por exemplo, Dom Gil pede que os fiéis coloquem nas portas, varandas ou janelas de seus lares um ou vários ramos, como sinal de comunhão de fé com toda a Igreja.


Na Segunda, Terça e Quarta-feira Santas, as famílias podem enfeitar suas residências com uma cruz ou crucifixo ornado com um pano roxo. Durante o Tríduo Pascal, que começa na Quinta-feira à noite, o tecido deve ser substituído pelo vermelho, que permanecerá até antes da Vigília Pascal, quando deverá dar lugar a um pano branco.


Na Sexta-feira da Paixão, Dom Gil pede que sejam feitas, às 15h, em todas as Igrejas matrizes, a Ação Litúrgica da Morte do Senhor. Na ocasião, deverá ser omitido o tradicional “beijo na Cruz” e incluída, nas orações, uma prece pelos que padecem a pandemia da Covid-19. Por fim, no Domingo de Páscoa, o Arcebispo pede que os sinos das igrejas sejam tocados de forma festiva às 6h, 12h e 18h, anunciando a alegria da Ressurreição do Senhor.


Clique aqui e confira a íntegra do comunicado.


Fonte: Assessoria de Comunicação Arquidiocese Juiz de Fora

Receba nossas atualizações

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco
  • 347814db5ead8ece1540a586342c64b7_logo-ds

© Criado por Elias Arruda.  Todos os direitos reservados à Rádio Catedral - FM .