• Radio Catedral

Busca ativa retorna quase cinco mil alunos em estado de evasão escolar para as salas de aula em JF

Por Rádio Catedral

Foto: iStock.

A pandemia da Covid-19 trouxe inúmeros desafios para a sociedade, principalmente na área da educação. Após a suspensão de atividades presenciais nas escolas no início de 2020, as instituições utilizaram o sistema remoto de ensino através de aulas virtuais, atividades impressas, via WhatsApp, dentre outras formas, para suprir a necessidade de continuar com o processo de ensino. As dificuldades de muitos alunos em ter acesso adequado a esses recursos contribuiu para a evasão escolar


Diante disso, a Prefeitura de Juiz de Fora (PJF), por meio da Secretaria de Educação, do Departamento de Inclusão e Atenção ao Educando (DIAE) e da Supervisão de Mediação e Acompanhamento ao Educando (SMAE), realizou o processo de “Busca Ativa” desses alunos afastados. Conforme o balanço divulgado foram resgatados 4.848 alunos em estado de evasão escolar no município, como explica a secretária de Educação, Nádia Ribas.

O processo de “Busca Ativa” se deu após firmamento de um Termo de Pactuação de ações Interinstitucionais Coordenadas entre as Secretarias de Educação (SE), Assistência Social (SAS) e de Saúde (SS) da PJF, Ministério Público de Minas Gerais, Superintendência Regional de Ensino e Conselhos Tutelares com a finalidade de reinserir crianças e adolescentes evadidos para que concluíssem a educação básica na idade certa.


Segundo a Secretaria de Educação, a pasta recebeu a listagem dos alunos, que as instituições de ensino enviaram, com seus dados e ações desenvolvidas. A Supervisão de Mediação e Acompanhamento ao Educando então enviou cartas aos responsáveis dos quase cinco mil alunos listados que esbarraram em problemas como regiões onde os Correios não entregam correspondências e alunos que não voltaram mesmo tendo recebido a carta.


Foi realizada então, a territorialização do endereço dos alunos por Unidades Básicas de Saúde (UBSs) do município; além da participação na “Rede de proteção à infância” (Cras Creas e Conselhos Tutelares) para identificar alunos em situação de trabalho infantil, e, com o retorno das atividades presenciais, famílias de alunos que ainda estavam evadidos foram orientadas para que estes pudessem retornar. O processo de “Busca Ativa” permanece, conforme a Secretaria de Educação.

0 comentário