• Radio Catedral

Região de Juiz de Fora entra na Onda Roxa do programa Minas Consciente



A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) definiu que as cidades da região de Juiz de Fora vão regredir para a onda roxa dos protocolos estaduais de enfrentamento à pandemia da Covid-19, regramento estabelecido pelo programa Minas Consciente.

A decisão vale a partir de sábado, 13, para as microrregiões Juiz de Fora/Lima Duarte/São João Nepomuceno/Bicas; Santos Dumont; e Cataguases/Leopoldina/Além Paraíba, pertencentes à Macrorregião de Saúde sudeste.

Mesmo não estando mais no Minas Consciente, Juiz de Fora é obrigada a aderir ao plano estadual já que as regras mais rígidas para a circulação de pessoas e funcionamento de atividades econômicas acontece de forma compulsória para todos os municípios presentes na região.

Nessa fase, que, a princípio, tem duração de 15 dias, só é permitido o funcionamento de serviços essenciais e a circulação de pessoas fica limitada aos funcionários e usuários desses estabelecimentos. O deslocamento por qualquer outra razão deve ser justificado e a fiscalização vai ser feita com o apoio dos municípios e da Polícia Militar.


São considerados serviços essenciais o Setor de alimentos (excluídos bares e restaurantes, que só podem via delivery); o Serviços de Saúde (atendimento, indústrias, veterinárias etc.); os Bancos; o Transporte Público (deslocamento para atividades essenciais); o setor de Energia, Gás, Petróleo, Combustíveis e derivados; a Manutenção de equipamentos e veículos; a Construção civil; as Indústrias (apenas da cadeia de Atividades Essenciais); as Lavanderias; os Serviços de TI, dados, imprensa e comunicação; e os Serviços de interesse público (água, esgoto, funerário, correios etc.)


Como medidas de restrição de circulação, a Onda Roxa do programa Minas Consciente determina toque de recolher, no período que vai entre 20h e 5h. Além disso, fica liberado o serviço apenas das atividades essenciais; fica proibida a circulação de pessoas sem máscara em espaços públicos ou de uso coletivo, de pessoas com sintomas de gripe, exceto para realização de exames; ficam proibidos os eventos públicos e privados e as reuniões presenciais. O programa libera também a montagem de barreiras sanitárias.


*Informações da SES-MG

0 comentário