• Radio Catedral

Primeira Sessão Sinodal reúne cerca de 250 pessoas na Cúria Metropolitana de Juiz de Fora

Por Fabíola Castro



A Arquidiocese de Juiz de Fora Fora vive seu II Sínodo, cuja preparação foi iniciada no primeiro semestre do ano 2018. Sua abertura litúrgica ocorreu no dia 27 de outubro de 2019, enquanto a cerimônia de início dos trabalhos práticos foi realizada em 7 de dezembro.


“Proclamai o Evangelho pelas ruas e sobre os telhados” (Mt 10,27) foi o lema escolhido para nortear as atividades sinodais. Já o tema do I Sínodo será mantido: “Arquidiocese de Juiz de Fora, uma Igreja sempre em missão”.


No último sábado, 8 de fevereiro, foi realizada na Cúria Metropolitana a primeira Sessão Sinodal, que reuniu cerca de 250 pessoas, entre padres, diáconos, seminaristas, religiosos (as) e leigos (as), representantes das paróquias, dos vicariatos, das novas comunidades, da Pastoral Juvenil, do Conselho Missionário Diocesano (Comidi), do Seminário Santo Antônio e da Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB).


Seminarista com a imagem de Nossa Senhora em Saída.

A abertura das atividades se deu com a acolhida dos participantes em um café da manhã. Logo em seguida, todos foram para o portão onde foi dada a bênção de inauguração da nova portaria do prédio da Cúria e do Seminário pelo Arcebispo Metropolitano, Dom Gil Antônio Moreira. O Pastor da Igreja Particular de Juiz de Fora, apresentou ainda aos presentes, a imagem de Nossa Senhora em Saída, Mãe da Igreja em Saída. Ela foi confeccionada pelo Movimento dos Focolares, da cidade de Loppiano, na Itália e uma pequena cópia foi enviada a cada Fazenda da Esperança, além de ter sido entregue uma réplica também ao Papa Francisco.


Cruz Peitoral - presente do Clero a Dom Gil.




Após a bênção, todos seguiram em caminhada orante até a entrada do prédio do Seminário, ali os padres deram a Dom Gil como presente do Clero, uma cruz peitoral com o símbolo do II Sínodo. Dando prosseguimento, se dirigiram então, ao Auditório Mater Ecclesiae.


Já no local onde aconteceu toda a programação do dia, representantes de instituições que realizam trabalho com os pobres e excluídos, - como os Pequeninos de Jesus e Fazenda da Esperança -, puderam falar de suas atividades, assim como assistidos puderam dar testemunho. Após o intervalo para um segundo café, mais um momento orante foi realizado.


Na parte a tarde, as atividades tiveram prosseguimento com uma fala de dom Gil e a apresentação dos membros da Comissão Ampliada do 2º Sínodo, composta por padres e leigos.


Dom Gil destacou algumas atividades.

O Arcebispo de Juiz de Fora ainda explicou sobre os significados de se celebrar um Sínodo.

O Arcebispo Emérito de Sorocaba (SP), Dom Eduardo Benes de Sales Rodrigues, conduziu um momento de formação com o tema “Um olhar sobre a Realidade Urbana e seus desafios Pastorais – A Igreja de Juiz de Fora diante da urbanização” e falou sobre a temática, sobre os principais desafios da Igreja em relação a Evangelização neste espaço.


O secretário-executivo da Pastoral Arquidiocesana, membro da Comissão do II Sínodo, Padre Everaldo José Sales Borges, explicou os trabalhos desta primeira Sessão Sinodal.

Padre Everaldo comentou também sobre o trabalho que será feito pelos missionários sinodais.

O Secretário do Sínodo, Padre Vanderlei Santos de Souza, CSsR, que também faz parte da comissão do II Sínodo, detalhou algumas ações já realizadas e passos futuros.

A leiga Julia Henrique Gomes, da Paróquia Santo Antônio, da cidade de Goianá, falou da sua contribuição como missionária sinodal.

Para a presidente da Fundação Maria Mãe, Vanessa Farnezi, - que realiza um trabalho com pessoas em situação de rua - a sua contribuição, com o apoio da Igreja, se faz muito necessária para de fato ser presença e mudança na vida das pessoas que precisam.

O Padre José de Anchieta Moura Lima falou da sua experiência e impressões de participar desta primeira Sessão Sinodal.

Ao final das atividades do dia, Padre Everaldo fez algumas considerações práticas e, depois, houve a bênção e entrega das cruzes que identificarão os missionários sinodais. Dom Gil também abençoou todos os presentes antes que retornassem para suas casas.


Após esta primeira Sessão Sinodal, do último sábado (8), que contou com representantes de todas as paróquias, as demais sessões do ano, a partir do mês de março, serão apenas para as paróquias do município Juiz de Fora, onde será realizada a primeira fase do II Sínodo Arquidiocesano. Somente em 2021, a segunda fase vai contemplar as paróquias do interior.


O principal assunto abordado será a evangelização da cidade, proposta que vai em direção às Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil para o quadriênio 2019 a 2023.


I Sínodo


O primeiro Sínodo da Arquidiocese de Juiz de Fora foi realizado de 13 de dezembro de 2009 a 13 de junho de 2011, com o tema “Arquidiocese de Juiz de Fora: uma Igreja sempre em Missão” e o lema, “Fazei discípulos meus” (Mt 28,19).


O Sínodo foi concluído com a promulgação do Documento Sinodal, que contemplou os horizontes: Família e Vida, Comunidade de Fé, Amadurecimento e Fortalecimento da Fé e Serviço aos Pobres. O lançamento aconteceu em 13 de junho de 2011.


Em 2013, 2015 e 2017 a Arquidiocese de Juiz de Fora realizou revisões sinodais, com o objetivo de reconhecer as falhas na implementação das ações indicadas pelo Documento Sinodal e programar as atividades dos anos seguintes. A partir dessas reavaliações, deu-se início então, à preparação para o II Sínodo Arquidiocesano.

Receba nossas atualizações

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco
  • 347814db5ead8ece1540a586342c64b7_logo-ds

© Criado por Elias Arruda.  Todos os direitos reservados à Rádio Catedral - FM .