top of page
  • Foto do escritorRadio Catedral

Papa Francisco reforça que a defesa da vida é prioridade do magistério da Igreja Católica

Thulio Fonseca - Vatican News

Para o Papa Francisco "o aborto significa descartar seres humanos". Foto: Vatican Media

O tema do aborto foi tratado com o Papa Francisco durante uma audiência concedida aos membros da Comissão do Idoso da Câmara dos Deputados na quarta-feira (20). A delegação brasileira veio ao Vaticano para entregar a Francisco o Prêmio Zilda Arns.


A deputada Simone Marquetto, que também é vice-presidente da frente parlamentar católica, contou à redação do Vatican News que teve a oportunidade de falar com o Santo Padre sobre o pedido de inclusão em pauta da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 442, no Supremo Tribunal Federal (STF), que pleiteia a possibilidade de aborto legal até a 12ª semana de gestação.


Papa Francisco, ao escutar a realidade trazida pela deputada, reiterou o seu posicionamento a favor da vida e o fato de que a Igreja não muda a sua posição.


A deputada destacou que a motivação para abordar este assunto com o Pontífice está em conformidade com as posições evidenciadas pela Igreja no Brasil. "A CNBB, juntamente com muitos padres e leigos, está se manifestando contra a possível decisão do STF. É crucial que estejamos unidos para evitar a aprovação da legalização do aborto no Brasil", afirmou Simone Marquetto.


Leia também


O Papa a favor da defesa da Vida

A defesa da vida é constantemente reafirmada pela Igreja, sobretudo quando se trata daqueles que não têm voz. Em sua Exortação apostólica Evangelii Gaudium, Francisco recorda que na Igreja há um sinal que nunca deve faltar: “a opção pelos últimos, por aqueles que a sociedade descarta e joga fora”. Trata-se da atenção preferencial pelos mais frágeis.


Logo no início de seu Pontificado, em um discurso aos ginecologistas católicos, o Santo Padre disse:


Uma difundida mentalidade do útil, a cultura do descarte, que hoje escraviza os corações e as inteligências de muitas pessoas tem um preço deveras elevado: exige a eliminação de seres humanos, sobretudo quando são física ou socialmente mais frágeis. A nossa resposta a esta mentalidade é um sim decidido e sem hesitações à vida. O primeiro direito de uma pessoa humana é a sua vida. [...] Por isso, a atenção à vida humana na sua totalidade tornou-se nos últimos tempos uma verdadeira prioridade do Magistério da Igreja, de maneira particular àquela mais inerme, ou seja, ao portador de deficiência, ao enfermo, ao nascituro, à criança e ao idoso, à vida mais indefesa. No ser humano frágil, cada um de nós é convidado a reconhecer o rosto do Senhor, que na sua carne humana experimentou a indiferença e a solidão às quais frequentemente condenamos os mais pobres, tanto nos países em fase de desenvolvimento, como nas sociedades abastadas. Cada criança não nascida, mas condenada injustamente a ser abortada, tem o rosto de Jesus Cristo, tem a face do Senhor, que ainda antes de nascer e depois, recém-nascido, experimentou a rejeição do mundo. (20 de setembro de 2013)

A Vida é um direito inviolável


No cenário politico brasileiro, os próximos dias serão de grande atenção. O STF pautou para esta sexta-feira, 22 de setembro, o início do julgamento da ADPF 442, que discute a descriminalização do aborto até a 12ª semana de gestação. O julgamento ocorrerá no Plenário Virtual da Corte, com prazo para ser finalizado em 29 de setembro.


A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), por meio de sua presidência, reagiu à pauta do STF e reafirmou através da nota "Vida: direito inviolável", divulgada no dia 14 de setembro, sua posição em favor da vida desde a concepção. Os bispos ressaltam que “o aborto constitui a eliminação de uma vida humana, trata-se, pois, de uma ação intrinsecamente má e, portanto, não pode ser legitimada como um bem ou um direito”.

O texto também deixa claro o posicionamento da Igreja no Brasil: “de qualquer forma, jamais aceitaremos quaisquer iniciativas que pretendam apoiar e promover o aborto”.


O assessor jurídico civil da CNBB, o advogado Hugo Cysneiros Oliveira, ao falar sobre a ADPF 442, destacou que a ação tem por objetivo básico abrir caminhos para a legalização do aborto no Brasil. Para o advogado, a ação “sequer deveria ser conhecida” e que, no caso de debate sobre o tema, deveria ser feito pelo Congresso Nacional: “o Brasil já regula esta matéria, nós temos normas sobre isso, nós somos signatários de tratados internacionais que expressamente protegem a vida e não há porquê modificar essa regra pelo caminho que se pretende”, afirmou ele.

7 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page