• Radio Catedral

Nefrologista fala sobre doença renal crônica

Por Fabíola Castro

Foto: Davizro by Getty Images.

A doença renal crônica é uma enfermidade que ataca os rins. Ela geralmente é silenciosa, não dando sinais ou sintomas, sobretudo no início. Assim, a melhor forma de prevenir é detectá-la cedo. Para fazer o diagnóstico, é importante conversar com seu médico e fazer os exames necessários.


O Médico Nefrologista, Dr. Fernando Sales, explica na entrevista sobre a doença, diagnóstico, tratamento e cuidados. Confira:



Qual a função do rim no corpo humano?


O que é a doença renal crônica?


A doença renal crônica tende a aumentar ao longo dos anos em função do envelhecimento da pessoa ou a partir de que idade ela pode aparecer ou se agravar?


Além da hipertensão e diabetes existem outros fatores que fazem mal ao rim?


Fatores hereditários, genéticos para a doença renal também devem ser observados?


Como é feita a investigação quanto aos fatores de risco de uma pessoa para a doença renal? Quando começar a se preocupar ou em que situações?


Quais os tratamentos para a doença renal crônica?


O cuidado com a alimentação na questão da saúde é de fundamental importância e não é diferente em casos de doença renal?


Em que momento pode ser necessário que o paciente renal crônico precise de hemodiálise?


A doença é considerada crônica depois de estabelecida por mais de três meses? Mas é possível reverter o caso, se descoberto precocemente?


Qual a relação entre a doença renal crônica e a Covid-19?


No último dia 11, a segunda quinta-feira do mês de março, foi lembrado o “Dia Mundial do Rim” que tem como tema em 2021 “Vivendo bem com a doença renal”.


A prevenção e o tratamento precoce no caso da doença renal, como em muitos outros, é importante para que a doença não progrida de forma rápida e para que sejam evitados outros eventos graves. O tratamento é totalmente coberto pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Um dia mundial dedicado ao rim tem como objetivo ser uma mobilização com foco no autocuidado, sobrevida e qualidade de vida de fato.

0 comentário