top of page
  • Foto do escritorRadio Catedral

Entenda os cuidados com a gestação tardia

Por Danielle Quinelato


O critério sobre a idade ideal para dar à luz evoluiu com o tempo. Na década de 1960, considerava-se ideal a faixa entre os 18 e os 25 anos. De modo geral, o universo feminino mudou muito desde então. As mulheres foram para as universidades e passaram a disputar espaço no mercado de trabalho. Diante dessas novas possibilidades de desenvolvimento pessoal e carreira algumas passaram a optar por ter filhos mais tarde, após os 35 anos.


Mas quais são as consequências que essa decisão pode trazer? Que problemas reais isso pode gerar? Como lidar com uma gravidez tardia? Essas e outras perguntas foram respondidas pela médica responsável pelo Ambulatório de Infertilidade Feminina do Hospital Universitário (HU-UFJF), Fernanda Polisseni. Confira:


Por que as mulheres estão engravidando mais tarde hoje em dia?


Do ponto de vista anatômico e funcional e da fisiologia do aparelho reprodutivo feminino, existe uma fase ou idade que poderia ser considerada ideal para a gravidez e o parto?


A partir de que idade os riscos aumentam? Que riscos são esses?


É mais difícil engravidar naturalmente após os 35 anos?


Quais os riscos de uma gravidez depois dos 35 anos de idade – tanto para a mãe como para a criança?


Quais são os cuidados necessários quando uma mulher de 35 ou mais anos resolve engravidar? Em que eles diferem dos cuidados das mulheres mais novas?


Antes da gestação é preciso tomar vacinas e vitaminas? Quais?


Quão é importante procurar um médico antes de engravidar, independente da idade?


Qual a importância do acompanhamento médico durante toda a gravidez?


Quais são as alternativas para as mulheres que querem ter filhos futuramente, mas já estão se aproximando dos 35 anos?


No caso de suspeita de infertilidade, o Ambulatório de Infertilidade Feminina do HU oferece os exames necessários para investigar: imagem, ultrassom, ressonância magnética, avaliação das trompas e exames de sangue para avaliação hormonal. O Hospital Universitário também conta com um Ambulatório de Infertilidade Masculina.


Caso a suspeita de infertilidade seja confirmada, o próprio HU oferece tratamentos viáveis, como a videolaparoscopia (indicada nas mulheres com alguma alteração tubária, aderência em função de endometriose ou doença inflamatória pélvica anterior) e a histeroscopia (endoscopia do útero para tratar alterações dentro do órgão, como miomas e pólipos). Outras informações: Hospital Universitário: (32) 4009-5131 (Unidade Santa Catarina) e (32) 4009-5401 (Unidade Dom Bosco).

91 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page