top of page
  • Foto do escritorRadio Catedral

Ensinamentos sempre atuais: Pe. Tarcísio fala sobre São Tomás de Aquino

São Tomás de Aquino deixou para toda a Igreja o testemunho e, praticamente, a síntese do pensamento católico.


Por Fabíola Castro*


Neste sábado, 28 de janeiro, é celebrado São Tomás de Aquino, Doutor da Igreja. O santo é uma das maiores figuras da teologia católica. Ele nasceu em 1225, na Itália. Pertencia a uma nobre família, a qual lhe proporcionou ótima formação. Conta-se que, quando criança, com cinco anos, ao ouvir os monges cantando louvores a Deus, cheio de admiração perguntou: “Quem é Deus?”.


A vida de santidade de São Tomás foi caracterizada pelo esforço em responder, inspiradamente para si, para os gentios e a todos sobre os mistérios de Deus.


Diante da oposição familiar, principalmente da mãe condessa, São Tomás de Aquino chegou a viajar às escondidas para Roma, com 19 anos, para um Mosteiro Dominicano. No entanto, ao ser enviado a Paris, foi preso pelos irmãos servidores do Império. Levado ao lar paterno, ficou, ordenado pela mãe, um tempo detido. Tudo isso com a finalidade de fazê-lo desistir da vocação, mas nada adiantou.


Tomás de Aquino teve um grande mestre: Santo Alberto Magno. A sua vida foi tomada por uma forte espiritualidade eucarística, na arte de pesquisar, elaborar, aprender e ensinar pela Filosofia e Teologia os Mistérios do Amor de Deus.


O Padre Tarcísio Monay destaca o grande santo que foi São Tomás de Aquino.


Uma de suas obras mais importantes, segundo Padre Tarcísio, é a ‘Suma Teológica’, dividida em cinco partes, e onde ele demonstrava a existência de Deus.


Os estudos de São Tomás de Aquino continuam atuais e ajudam nas reflexões e estudos da Igreja ainda hoje.


"Três coisas são necessárias para a salvação do homem: saber o que deve crer, saber o que deve desejar, saber o que deve fazer”. As reflexões de São Tomás de Aquino foram também tema do editorial do Jornal Boa Nova deste sábado, 28, com o Padre Camilo de Paiva.


Mais da sua história


O Papa Urbano IV, que nutria por São Tomás grande estima, o encarregou da composição dos textos litúrgicos para a festa de Corpus Christi. Com a alma totalmente eucarística, os hinos entoados na Liturgia para celebrar a presença do Corpo e do Sangue de Cristo na Eucaristia, foram atribuídos à sua fé e sabedoria teológica.


Quase queimou toda a sua obra


São Tomás de Aquino quase queimou toda a sua obra. Em dezembro de 1273, Tomás chamou Reinaldo, seu amigo e secretário, para lhe comunicar que não escreveria mais, porque, durante a celebração da Missa, após uma revelação sobrenatural, havia entendido que tudo o que escreveu não passava apenas de um “monte de palha”.


Por fim, ele adoeceu. Em 1274, durante uma viagem a Lion, para participar do Concílio a pedido do Papa Gregório X, morreu com apenas 49 anos.


São Tomás de Aquino deixou para toda a Igreja o testemunho e, praticamente, a síntese do pensamento católico. Sua canonização aconteceu em 18 de julho de 1323, por Papa João XXII. Em 28 de janeiro de 1567, recebeu de Papa Pio V o título de Doutor da Igreja, e passou a ser chamado de Doutor Angélico pelos clérigos.


*Com informações de Santo do dia Canção Nova.

5 visualizações0 comentário

Kommentare


bottom of page