• Radio Catedral

Curso sobre “capacitismo” é oferecido em Juiz de Fora

Por Fabíola Castro


A Secretaria Especial de Direitos Humanos (SEDH) da Prefeitura de Juiz de Fora (PJF) está oferecendo o curso “Capacitismo: precisamos dialogar”, como uma forma de lembrar o Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência, que foi comemorado em 21 de setembro.


As inscrições foram abertas no dia 21 e seguem até 1º de outubro. Os interessados devem preencher um formulário on-line, disponível no site da PJF. Clique aqui. O curso será ministrado de forma virtual e começa no dia 6 de outubro.


A Supervisora do Departamento de Formação Permanente de Direitos Humanos da Secretaria Especial em Direitos Humanos, Mericol Freitas, fala sobre a proposta da formação.


Os encontros do curso “Capacitismo: precisamos dialogar”, serão semanais. De acordo com Mericol Freitas, haverá também possibilidade de cadastro de reserva conforme a procura.


O capacitismo é o preconceito que tem como base a “capacidade” de outros seres humanos. Principalmente, quando se pensa na parcela da população que possui algum tipo de deficiência.


Conforme a Supervisora do Departamento de Formação Permanente de Direitos Humanos, Mericol Freitas, o curso pretende despertar nos participantes a compreensão da relevância da temática da pessoa com deficiência, trabalhando também temas relevantes e com participações importantes.

Cada encontro da formação contará com um tema específico, que tem como objetivo o debate sobre o "capacitismo" em diferentes perspectivas.


Confira os temas a serem trabalhados:


1 - O normal precisa acabar

2 - Barreiras visíveis e invisíveis às pessoas com deficiência

3 - Capacitismo, o que é afinal?

4 - Capacitismo e mídia

5 - Capacitismo e os espaços urbanos

6 - Capacitismo e mercado de trabalho

7 - Capacitismo e a educação

8 - Capacitismo e mulheres com deficiência

9 - Capacitismo nas relações de afeto

10 - Desconstruir a cultura capacitista é possível?

11 - Conversa coletiva / criando soluções em grupo/ propostas de ações no curto, médio e longo prazo.

0 comentário