• Radio Catedral

Covid-19: MG prevê 1ª dose da vacina até outubro para todos os mineiros acima de 18 anos

Por Rádio Catedral*

Secretário de Estado de Saúde de MG, Fábio Baccheretti - Foto: Fábio Marchetto / SES-MG.

A previsão de que todos os mineiros acima de 18 anos devem receber a primeira dose da vacina contra a covid-19 até outubro deste ano foi anunciada nesta terça-feira (15), pelo Secretário de Estado de Saúde de Minas Gerais, Fábio Baccheretti, em coletiva à imprensa na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte. O calendário se baseia na previsão de distribuição de doses pelo governo federal. A expectativa é a de que o grupo entre 55 e 59 anos receba a primeira dose ainda neste mês de junho; entre 50 e 54 anos, em julho; de 35 a 49 anos, em agosto; de 25 a 34 anos, em setembro; e de 18 a 24 anos, em outubro. O secretário destacou que o calendário da vacinação em Minas depende do cumprimento do cronograma apresentado pelo governo federal, além da velocidade da aplicação por parte dos municípios. Portanto, as datas podem ser antecipadas ou atrasadas, conforme essas variáveis.


“A expectativa do Ministério da Saúde é de enviar 38 milhões de doses para todo o país em junho, 35 milhões para julho, 68 milhões para agosto, 62,5 milhões para setembro e 65 milhões para outubro. Diante disso e do histórico de que 10% das doses vem para a Minas, porque a população mineira equivale a cerca de 10% do país, temos essa expectativa por faixa etária da vacinação com a primeira dose em todo o estado”, explicou o secretário de Saúde. Fábio Baccheretti também enfatizou a importância de se manter o uso de máscara, cuidados de higienização e distanciamento até que o processo de imunização esteja totalmente concluído. “Apesar dessa boa notícia, o estado continua com alta incidência e a vacinação não impede a transmissão da doença por completo", destacou ainda o Secretário de Estado de Saúde.

Baccheretti também reforçou que, apesar do aumento da incidência da doença, com crescimento no número de novos casos confirmados, a procura por leitos se mantém estável e a queda de óbitos nos grupos já imunizados permite um panorama otimista sobre o sucesso da imunização. O secretário lembrou que as vacinas utilizadas nesses grupos foram praticamente CoronaVac e AstraZeneca, tirando qualquer dúvida sobre a sua eficácia.



*Com informações da Agência Minas.

0 comentário