• Radio Catedral

Covid-19, variantes e Influenza

Atualizado: 2 de fev.

Por Fabíola Castro

Imagem: Freepik.

Além da Covid-19, do surgimento de novas variantes, inclusive da ômicron, o aumento de casos de infecções pelo vírus Influenza, o vírus da gripe, também tem preocupado. Casos de infecção pelo H3N2, um subtipo do vírus Influenza A conhecido como Darwin, se disseminou no ano passado no Hemisfério Norte e começou a se espalhar pelo Brasil no fim de 2021, causando o aumento de hospitalizações. A Covid-19 e a Influenza podem ser confundidas, já que se tratam de duas doenças respiratórias com sintomas semelhantes. Apesar da vacinação avançando, as hospitalizações em decorrência da infecção pelo coronavírus também aumentaram, o que mostra a importância da manutenção dos cuidados básicos e da imunização avançar ainda mais.


No quadro "Bendita Saúde" desta terça-feira (1º), o Médico Infectologista, Dr. Marcos Moura, trouxe informações acerca dessas doenças respiratórias que ainda causam dúvidas em muitas pessoas.


Confira:


Com as variantes e principalmente, nesse momento, com a ômicron, a apresentação da Covid-19 mudou, têm se apresentado de forma diferente?


Nesse momento da variante ômicron, podem existir mais pessoas contaminadas e sem sintomas?


As internações têm aumentado novamente. Qual o perfil das pessoas internadas hoje com Covid?


Os casos de Influenza também aumentaram com sintomas que podem ser confundidos com a Covid. As pessoas podem ser acometidas por uma gripe e também um resfriado. Quais as diferenças?


Quanto aos sintomas da Covid e da Influenza são muito semelhantes?


Diante de que sinais e sintomas, as pessoas devem procurar atendimento médico? Quando ela deve se isolar?


Além do Brasil, outros países também precisam atingir níveis altos de vacinação das populações, se isso não acontecer, as variantes, podem ir surgindo e a doença se agravar novamente? Ou a partir de agora as vacinas vão sendo adaptadas?


Com o passar do tempo, após a vacinação ter atingido a maioria da população, não só no Brasil, mas no mundo, a Covid pode se apresentar de forma que as pessoas não precisem se isolar?


A vacinação completa para todos os públicos elegíveis e nesse momento também das crianças é importante nesse caminho de erradicação da pandemia?


Ainda estamos em um momento bastante delicado da pandemia, sendo assim, o uso da máscara de forma correta, cobrindo o nariz e a boca, assim como a higienização das mãos, com água e sabão ou álcool 70%, além de evitar ambientes aglomerados, são atitudes importantes para se autoproteger e proteger o próximo.



Sintomas da Covid-19*


No início da pandemia, a Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou que os infectados apresentavam sintomas como febre, tosse seca, cansaço e perda do paladar ou do olfato. Após o surgimento das variantes, os sintomas clássicos sofreram mudanças.


À medida que a variante delta, descoberta na Índia em outubro de 2020, se espalhava pelo planeta, os sintomas mais comuns da doença passaram a ser febre, tosse persistente, coriza, espirros e dor de cabeça e garganta. Características semelhantes à gripe sazonal. A perda de paladar e de olfato deixou de ser relatada.


Já as infecções pela variante ômicron, descoberta na África do sul em novembro de 2021, demonstraram outro padrão sintomático, como dores pelo corpo, dor de cabeça, dor de garganta e, sobretudo, um cansaço extremo.


Sintomas da gripe*


Os sintomas da gripe são febre súbita, tosse (geralmente seca), dor de cabeça, dores musculares e articulares, mal-estar, dor de garganta e coriza. A tosse pode ser forte e durar duas ou mais semanas, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). No caso do H3N2, os sintomas são os mesmos, com o potencial de causar casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em idosos e imunocomprometidos.



*Fonte: Instituto Butantã.





0 comentário