• Radio Catedral

2º domingo do mês é dedicado ao dízimo: Arcebispo de Juiz de Fora envia carta aos dizimistas



O segundo domingo de cada mês é dedicado ao Dízimo na Arquidiocese de Juiz de Fora. Gesto esse que é um compromisso de fé com a comunidade em se vive o espírito da partilha e da doação, fundamentados no mandamento do amor, centro do Evangelho. Este domingo, 9 de maio, o segundo do mês, é dedicado ao dízimo, e o Arcebispo Metropolitano, Dom Gil Antônio Moreira, divulgou uma carta aos fiéis dizimistas para agradecer a todos pela “responsabilidade, generosidade e amor à Igreja” e para recordar a importância dessa partilha. O Arcebispo escreve que tem rezado incessantemente pelos atuais tempos de tribulação. “Da mesma forma, tenho rezado pelos que sofrem as consequências sociais da pandemia, com menor poder aquisitivo que antes e alguns que estão dependendo da caridade e da solidariedade de todos. Também a Igreja, as paróquias, as comunidades têm sofrido com estes problemas que atingem a todos nós". Ele relembrou o contexto vivido, o II Sínodo Arquidiocesano e, também, que estamos celebrando o primeiro ano de um tríduo em preparação ao centenário de nossa Igreja Diocesana. Segundo o pastor, momentos especiais mantidos pela fidelidade dos dizimistas. Antecipando o tema do Evangelho desse VI Domingo Pascal: “Amai-vos uns aos outros, como eu vos tenho amado. Ninguém tem maior amor do que aquele que dá sua vida pelos seus amigos” (Jo 15, 12-13), ele destaca que a oferta de Jesus foi a maior de todas e que “através do Dízimo Sagrado, oferecemos um pouco de nossa vida”. Ciente do desânimo que assola muitos em momentos de grandes dificuldades, Dom Gil também deixou uma mensagem. “Sobretudo nestes tempos de tribulação, creia que Deus não deixa nada sem abundantes recompensas, nem mesmo um simples copo de água dado em nome d’Ele (cf. Mt 10,42). Creia na riqueza infinita do nosso Pai providente. Contamos com sua constante fidelidade ao dom de participarmos da obra divina por meio do Dízimo”. A contribuição do dízimo pode ser feita nas Missas de cada paróquia. Em algumas comunidades é possível realizar transferência bancária ou depósito, para isso basta solicitar os dados ou mais informações em cada secretaria paroquial. Leia a carta na íntegra. Clique aqui.



*Fonte: Arquidiocese Juiz de Fora.

0 comentário